Vale a pena contratar um seguro celular?

Os smartphones disponíveis no mercado que mais tem recursos, geralmente, são os modelos mais caros — ultrapassando mais de dois mil reais. Pelo custo e vantagens, eles também se tornam os maiores alvos de assaltos e furtos no Brasil e, por isso, é indispensável ter meios de protegê-los para evitar grandes prejuízos. É nesse contexto que o seguro celular se destaca.

Segundo a Federação Nacional de Seguros (FenSeg), apenas no ano de 2018 já existiam mais de 2,5 milhões de aparelhos segurados. Além de indenizar o segurado em caso de sinistro, o seguro protege contra danos físicos e elétricos, como quebras acidentais ou quedas de líquido. Mas será que vale a pena contratar um seguro?

Continue lendo para entender como funciona o seguro celular, quais são os tipos de cobertura mais comuns e quais as opções disponíveis no mercado atualmente. 

Como funciona o seguro celular?

Cada seguradora tem um padrão de funcionamento, com carências, valores e coberturas diferentes. No entanto, o seguro em si funciona de um único modo: o valor da cobertura se refere a um período determinado em contrato e, ao precisar acionar o seguro, paga-se o valor da franquia.

Contratação

No momento da contratação, você escolhe o tipo de cobertura que deseja para o seu aparelho, podendo incluir roubo ou furto qualificado, quebra acidental e queda de líquido. Em geral, o período assegurado é de 12 meses, com valores que diferem de acordo com o pacote escolhido.

Caso algo aconteça com o seu aparelho, é necessário acionar a seguradora e pagar a chamada franquia — cerca de 25% do valor do celular. Lembrando que, quanto mais caro o modelo, maior será o valor do seguro e da franquia.

Além disso, é necessário apresentar a cópia do documento, a nota fiscal do aparelho e, em caso de roubo ou furto, o boletim de ocorrência e uma declaração descrevendo como ocorreu o sinistro.

Indenização

Em caso de roubo ou furto, o segurado receberá um novo aparelho. Para os casos de quebra ou queda de líquido, a seguradora indica a assistência técnica para a qual o smartphone deve ser encaminhado. Após a avaliação dos danos, a seguradora arca com os custos do conserto ou de um novo aparelho.

Em relação à reposição do aparelho, o segurado recebe um celular igual ou semelhante ao anterior, de acordo com o valor da nota fiscal informado no momento da contratação.

Quais são as coberturas mais comuns?

Roubo ou furto qualificado

O seguro celular para essa cobertura funciona apenas para roubo ou furto qualificado. Se você perdeu o aparelho ou ele tenha sido furtado apenas por descuido, a seguradora não realizará a indenização. Após bloquear o aparelho, é necessário realizar um boletim de ocorrência para comprovar o sinistro e, em alguns casos, uma declaração descrevendo como o ato aconteceu. 

Quebra acidental

Essa cobertura protege contra prejuízos causados por quedas acidentais, como quebra da tela ou danos estruturais, que deverão ser avaliados pela assistência técnica indicada pela seguradora.

Queda de líquido

Outra cobertura comum é contra acidentes envolvendo líquidos, como quedas na água ou outro líquido prejudicial ao aparelho. Os danos causados também deverão ser avaliados pela assistência técnica indicada para a possível indenização. 

Quais são as opções de seguro celular disponíveis no mercado?

Existem diversos seguros disponíveis no mercado atualmente, sejam das próprias operadoras — TIM, Vivo, Claro, Oi e Nextel, seja de seguradoras já consolidadas, como Porto Seguro, Zurich e Mapfre.

Para saber se vale a pena contratar um seguro ou não, é preciso ter em mente que os preços dos planos não podem ultrapassar 10% do valor total do aparelho. Além disso, é importante considerar fatores como a carência do seguro, o valor da franquia e o prazo para a indenização.

Após pesquisar as opções disponíveis para o seu caso, escolha a seguradora com a qual você se sinta mais confiante e tenha certeza sobre todos os detalhes do seguro e do plano contratado para não haver surpresas no momento em que você precisar. Afinal, já basta a dor de cabeça e o estresse causados pelo sinistro ou dano físico do aparelho, né?

Já contratou ou pretende contratar um seguro celular? Comente aqui qual você mais gostou e se acha que vale a pena contratá-lo. 

seguro-celular
51
Google PlusLinkedin