Internet

Atualizado em
Leitura 4 min

O que é ADSL?

Gabriela Resende, jornalista de Portal de Planos

Por Gabriela Resende

Jornalista — Portal de Planos

ADSL: entenda o que significa

Antigamente, a principal forma de acessar a internet que tínhamos disponível era a conexão discada. Se você já usava a internet no início anos 2000, certamente se lembra do som de chiados e ruídos que ouvíamos ao conectar o computador a web. Contudo, devido ao avanço tecnológico, hoje temos diferentes tipos de conexões, e uma das mais utilizadas é a ADSL.

Mas, como sabemos, muitas dúvidas podem surgir quando falamos desse assunto. Então, neste conteúdo, vamos explicar o que exatamente é a conexão ADSL, como ela funciona e quais as principais diferenças para outros principais tipos de conexões. Confira!

O que é ADSL?

ADSL é uma sigla para o termo do inglês: Asymmetric Digital Subscriber Line; que pode ser traduzido para o português como: “Linha Digital Assimétrica para Assinante”

Na prática, a “Linha Digital Assimétrica para Assinante” se refere a tecnologia que gera um sinal digital para conexão de alta velocidade a partir de uma linha telefônica. Essa tecnologia surgiu no fim da década de 1980, mas só se popularizou no Brasil em meados dos anos 2000. 

Basicamente, ela foi a primeira tecnologia de conexão banda larga a substituir as conexões discadas. As principais diferenças e vantagens em relação a tecnologia antiga se dão na velocidade de conexão, com taxas de transmissão de dados muito mais altas, e no fato de a conexão não ocupar a linha telefônica.

É importante ainda lembrar que a ADSL é uma tecnologia entre outras da mesma “família”, conhecida como conexões DSL (Digital Subscriber Line), ou xDSL. As tecnologias xDSL são baseadas em transmissão digital de dados através da rede de telefonia. Dessa forma, para acessar a internet usando qualquer conexão baseada em xDSL, é necessário acesso a uma linha telefônica.

Como a conexão ADSL funciona?

A tecnologia ADSL permite que a linha telefônica seja dividida em três canais digitais, e é isso que possibilitou utilizar a internet sem ocupar o telefone.

Assim, um dos três canais é utilizado para chamadas de voz pelo telefone, que exige uma capacidade mínima de transmissão de dados. Isso deixa outros dois canais liberados, sendo um para o download e outro para o upload de dados.

Logo, considerando que para navegar na web é preciso enviar e receber dados ― upload e download de informações, a divisão da linha telefônica em canais proporciona um aprimoramento na velocidade de conexão.

No entanto, é preciso ainda esclarecer o que significa a “assimetria” expressada na sigla ADSL, para explicar melhor como essa tecnologia funciona.

Como normalmente as atividades que realizamos na internet dependem mais da velocidade de download do que de upload de dados, a maioria dos tipos de conexão que encontramos oferecem taxas diferentes de envio e recebimento de informações. É nesse ponto que se dá essa “assimetria” nas conexões ADSL.

As conexões ADSL oferecem taxas de download de até 8 Mbps (Megabytes por segundo) e de 1 Mbps para upload. Para fins de comparação, as conexões discadas oferecem velocidades de download e upload de, no máximo, 56 Kbps (Kilobytes por segundo). Ou seja, as conexões ADSL oferecem taxas de velocidade dezenas de vezes maiores que as discadas.

Quais as diferenças entre xDSL e outros tipos de conexões?

Desde que as conexões banda-larga xDSL, baseadas em linhas telefônicas, se popularizaram, surgiram outras tecnologias que também ganharam espaço no mercado. As principais alternativas as conexões baseadas em xDSL, são: a internet de fibra óptica e a internet de ondas de rádio.

A conexão a internet de fibra óptica, assim como as conexões xDSL, é feita por meio de cabos. Contudo, os cabos de fibra óptica são compostos de fios de vidro, o que otimiza o desempenho energético e proporciona velocidades de conexão ainda melhores. Para se ter uma ideia, a velocidade de conexão de redes de fibra óptica podem chegar a taxas de download de até 1.280 Mbps.

Já as conexões feitas por meio de ondas de rádio não dependem de cabeamento físico. Esse tipo de conexão surge como uma alternativa para muitos locais que não contam com boa cobertura de sinal telefônico.

As operadoras que oferecem esse tipo de conexão instalam no local desejado uma antena conectada a um modem. Esses aparelhos captam os sinais de rádio das torres das operadoras e os convertem em sinal para conexão a internet.

A ressalva para as conexões de internet via sinal de rádio se dá na baixa velocidade de conexão, que dificilmente supera 1 Mbps na taxa de download . Essa alternativa, portanto, visa principalmente oferecer conexão a internet em locais mais isolados, porém sem ter o desempenho como foco.

Com isso, fica fácil perceber que cada tipo de conexão banda-larga que temos hoje oferece diferentes condições e necessidades. 

Enquanto as conexões ADSL são mais populares e oferecem boas velocidades de conexão, as baseadas em fibra óptica são ainda mais velozes e menos instáveis, porém são mais custosas. Já as conexões por ondas de rádio visam garantir acesso a rede em locais isolados por um custo acessível.

Ficou com alguma dúvida sobre o ADSL? Conta para a gente aqui nos comentários!

Quem escreve

Gabriela Resende, jornalista de Portal de Planos

Gabriela Resende

Jornalista — Portal de Planos

Graduada em Relações Internacionais (Uni-BH) e Jornalismo (PUC-MG), Gabriela Resende é jornalista do Portal de Planos e apresentadora do nosso canal no Youtube. Por acreditar na importância do acesso à informação, Gabriela produz nossos conteúdos para que você possa, de forma simples e clara, fazer a escolha dos seus planos de telecomunicações e entender mais sobre tecnologia.

glossario/adsl
4.840